PUBLICIDADE

mundo

Paris: amostras de esgoto mostram que Covid-19 ainda n√£o foi eliminada

Amostras de √°gua resid¬≠ual do sis¬≠tema de esgo¬≠to de Paris t√™m mostra¬≠do ind√≠¬≠cios de Covid-19 des¬≠de o fim de jun¬≠ho, ape¬≠sar de eles terem desa¬≠pare¬≠ci¬≠do quan¬≠do a Fran√ßa imp√īs iso¬≠la¬≠men¬≠to, de acor¬≠do com o chefe do lab¬≠o¬≠rat√≥rio que real¬≠iza a pesquisa.

As taxas de infec√ß√£o est√£o recuan¬≠do no pa√≠s, mas nes¬≠ta sem¬≠ana autori¬≠dades tornaram o uso de m√°s¬≠caras obri¬≠gat√≥rio em espa√ßos p√ļbli¬≠cos fecha¬≠dos, em rea√ß√£o a uma s√©rie de novos focos local¬≠iza¬≠dos. At√© o momen¬≠to, a Covid-19 j√° matou mais de 30 mil pes¬≠soas na Fran√ßa.

Estu¬≠dos ini¬≠ci¬≠ais de cien¬≠tis¬≠tas da Holan¬≠da, Fran√ßa, Aus¬≠tr√°lia e de out¬≠ros locais lev¬≠am a crer que as amostras de esgo¬≠to para detec√ß√£o do novo coro¬≠n¬≠av√≠rus podem aju¬≠dar a esti¬≠mar o n√ļmero de infec√ß√Ķes em uma √°rea geogr√°¬≠fi¬≠ca sem que se pre¬≠cise exam¬≠i¬≠nar cada pes¬≠soa.

Lau¬≠rent Moulin, que coman¬≠da o lab¬≠o¬≠rat√≥rio de pesquisa admin¬≠istra¬≠do pela empre¬≠sa de √°gua p√ļbli¬≠ca Eau de Paris, aler¬≠tou que as descober¬≠tas em si mes¬≠mas n√£o sig¬≠nifi¬≠cam um ressurg¬≠i¬≠men¬≠to do v√≠rus na pop¬≠u¬≠la√ß√£o des¬≠de que o pa√≠s relax¬≠ou as restri√ß√Ķes do iso¬≠la¬≠men¬≠to.

Ele disse, no entan¬≠to, que quan¬≠do vis¬≠tas em con¬≠jun√ß√£o com out¬≠ros dados, podem ser um aler¬≠ta pre¬≠coce √ļtil sobre a dis¬≠sem¬≠i¬≠na√ß√£o do v√≠rus, mes¬≠mo antes de as pes¬≠soas se sen¬≠tirem doentes o sufi¬≠ciente para procu¬≠rar assist√™n¬≠cia m√©di¬≠ca.

‚ÄúTive¬≠mos o iso¬≠la¬≠men¬≠to, que reduz¬≠iu o n√ļmero de pes¬≠soas doentes, e um pouco depois, vimos uma redu√ß√£o da con¬≠cen¬≠tra√ß√£o do novo coro¬≠n¬≠av√≠rus na √°gua resid¬≠ual‚ÄĚ, disse Moulin, referindo-se √† cepa do v√≠rus por tr√°s da epi¬≠demia de covid-19.

‚ÄúO que esta¬≠mos ven¬≠do des¬≠de o fim de jun¬≠ho? Algu¬≠mas local¬≠i¬≠dades que estavam neg¬≠a¬≠ti¬≠vas para ind√≠¬≠cios do v√≠rus e que est√£o se tor¬≠nan¬≠do pos¬≠i¬≠ti¬≠vas‚ÄĚ. As taxas de infec√ß√£o est√£o dimin¬≠uin¬≠do em Paris, em lin¬≠ha com a tend√™n¬≠cia nacional.

Fun­cionários da usi­na de trata­men­to de esgo­to de Noisy-le-Grand, no extremo leste da cap­i­tal, enchem gar­rafas plás­ti­cas com água resid­ual e as colo­cam em uma caixa tér­mi­ca. Elas são lev­adas ao lab­o­ratório, local­iza­do nos arredores do sul da cidade, e ali pesquisadores com tra­jes con­tra ameaças biológ­i­cas e más­caras as anal­isam.

Os testes com amostras de √°gua resid¬≠ual detec¬≠tam geno¬≠mas do novo coro¬≠n¬≠av√≠rus, frag¬≠men¬≠tos do mate¬≠r¬≠i¬≠al gen√©ti¬≠co do v√≠rus que n√£o s√£o infec¬≠ciosos e podem ser emi¬≠ti¬≠dos por pes¬≠soas sem sin¬≠tomas.

Moulin disse que os indí­cios que sua equipe recol­heu no sis­tema de esgo­to serão apli­ca­dos a mod­e­los que estão sendo usa­dos para anal­is­ar a pro­gressão do vírus.

Em abril, pesquisadores de Paris pub¬≠licaram resul¬≠ta¬≠dos que mostraram como a cole¬≠ta de amostras de √°gua resid¬≠ual da cidade durante um m√™s ras¬≠tre¬≠ou a mes¬≠ma cur¬≠va de cresci¬≠men¬≠to e de que¬≠da da epi¬≠demia.

Fonte: AB

PUBLICIDADE