dossiêeconomia

Para conter inflação de 1.000.000%, Maduro corta cinco zeros na moeda na Venezuela

Entra em vigor nesta segunda-feira (20) o pacote de medidas do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, para tentar conter a inflação prevista para 1.000.000% neste ano no país. A principal mudança do chamado “Madurazo” será o corte de cinco zeros da moeda local, que passa a se chamar bolívar soberano.

No domingo (19), os serviços bancários online e os caixas eletrônicos pararam de funcionar na Venezuela. O apagão bancário já estava previsto para adequar o sistema monetário do país às mudanças na economia.

O presidente disse que a reforma irá vincular o bolívar à criptomoeda petro, recém-lançada pelo Estado, sem fornecer detalhes.

Especialistas em criptomoedas dizem que o petro sofre de falta de credibilidade devido à falta de confiança no governo Maduro e à má gestão da atual moeda nacional do país.

Novo salário mínimo e gasolina mais cara

O regime de Maduro aumentou o salário mínimo em 34 vezes na sexta-feira (17). O valor passará de 5.196.000 bolívares (US$ 20,8 no câmbio oficial ou US$ 1,3 no câmbio paralelo) para 180.000.000 bolívares (US$ 728 ou US$ 45,5). Os valores, segundo o presidente, serão pagos já em bolívar soberano.

Outra mudança anunciada por Maduro nos últimos dias foi o fim de subsídios que fazem do preço da gasolina na Venezuela o menor no mundo. Em uma tentativa de atingir opositores ao regime, o presidente venezuelano afirma manter a ajuda de custo por dois anos aos detentores do “carnê da pátria”, uma espécie de documento de identidade emitida pelo governo desde 2017.

Entre os venezuelanos, desconfiança

O pacote de medidas não agradou os venezuelanos, que convocaram manifestações para esta semana. Especialistas também se mostraram céticos com a capacidade desse plano econômico em reduzir o colapso econômico enfrentado pela Venezuela. Com medo, a população fez fila em supermercados na semana passada prevendo piora na crise de abastecimento do país.

Crise chega à fronteira com o Brasil

Desde 2015, quando o colapso econômico na Venezuela se intensificou, venezuelanos cruzam diariamente a pé a fronteira com o Brasil em busca de melhor qualidade de vida.

A piora no quadro político no governo Maduro neste ano agravou a crise gerada com o fluxo de imigrantes em Pacaraima, município fronteiriço no norte de Roraima. Desde o início de agosto, autoridades batalham na Justiça sobre o fechamento da fronteira com a Venezuela.

A tensão no local piorou no fim de semana, quando moradores brasileiros de Pacaraima entraram em conflito com os imigrantes na cidade depois que um comerciante foi agredido em um assalto cuja autoria é atribuída a venezuelanos. Cerca de 1,2 mil voltaram à Venezuela após o episódio.

Fonte: G1

Foto: Miraflores Palace/Handout via REUTERS

saiba antes via instagram @maisinfluenterevista