PUBLICIDADE

brasil

País verifica retração média de 11% no consumo de energia elétrica durante isolamento social

O con¬≠sumo de ener¬≠gia el√©tri¬≠ca no pa√≠s apre¬≠sen¬≠tou retra√ß√£o de 11% ap√≥s a ado√ß√£o de medi¬≠das de iso¬≠la¬≠men¬≠to social para com¬≠bate √† Covid-19, de acor¬≠do com estu¬≠do real¬≠iza¬≠do pela C√Ęmara de Com¬≠er¬≠cial¬≠iza¬≠√ß√£o de Ener¬≠gia El√©tri¬≠ca (CCEE).

O per­centu­al con­sid­era a média do Sis­tema Interli­ga­do Nacional (SIN) no perío­do entre 21 de março e 08 de maio deste ano com a mes­ma base de com­para­ção em 2019. Nesse recorte, o mer­ca­do reg­u­la­do teve que­da de 11%, enquan­to o mer­ca­do livre recu­ou 12%. A redução é um pouco menor no ambi­ente reg­u­la­do por causa da con­tinuidade do con­sumo da classe res­i­den­cial.

Quan­do se com­para a média entre as três primeiras sem­anas de março, antes do iní­cio das medi­das restri­ti­vas, com a média do perío­do após o começo do dis­tan­ci­a­men­to social, a deman­da por elet­ri­ci­dade recu­ou 15%, sendo 14% no mer­ca­do reg­u­la­do e 19% no mer­ca­do livre.

Os dados s√£o pre¬≠lim¬≠inares e lev¬≠am em con¬≠ta a deman¬≠da total do mer¬≠ca¬≠do cati¬≠vo, em que o con¬≠sum¬≠i¬≠dor com¬≠pra ener¬≠gia dire¬≠ta¬≠mente das dis¬≠tribuido¬≠ras, e do livre, que per¬≠mite a escol¬≠ha do fornece¬≠dor e a nego¬≠ci¬≠a√ß√£o de condi√ß√Ķes con¬≠trat¬≠u¬≠ais. Al√©m dis¬≠so, o estu¬≠do n√£o con¬≠sid¬≠era os dados de Roraima, √ļni¬≠co esta¬≠do n√£o interli¬≠ga¬≠do ao sis¬≠tema el√©tri¬≠co nacional.

‚ÄúOs dados que n√≥s temos dispon√≠veis hoje apon¬≠tam para um in√≠¬≠cio de esta¬≠bi¬≠liza¬≠√ß√£o. Res¬≠ta saber se, com a flex¬≠i¬≠bi¬≠liza¬≠√ß√£o da quar¬≠ente¬≠na em deter¬≠mi¬≠nadas regi√Ķes e a sinal¬≠iza¬≠√ß√£o de condi√ß√Ķes mais rig¬≠orosas de iso¬≠la¬≠men¬≠to em out¬≠ras, esse cen√°rio se man¬≠t√©m‚ÄĚ, anal¬≠isa Rui Altieri, pres¬≠i¬≠dente do Con¬≠sel¬≠ho de Admin¬≠is¬≠tra√ß√£o da CCEE.

Ramos de ativi­dade

Ao se anal¬≠is¬≠ar o desem¬≠pen¬≠ho do con¬≠sumo de ener¬≠gia por ramo de ativi¬≠dade, ver¬≠i¬≠fi¬≠ca-se que a ind√ļs¬≠tria auto¬≠mo¬≠ti¬≠va se man¬≠teve como um dos seg¬≠men¬≠tos com maior que¬≠da no con¬≠sumo de ener¬≠gia. A m√©dia de con¬≠sumo em abril foi 66% menor em com¬≠para¬≠√ß√£o com o mes¬≠mo per√≠o¬≠do em 2019. J√° a m√©dia dos oito primeiros dias de maio ver¬≠i¬≠fi¬≠cou que¬≠da menor de con¬≠sumo: 50% ante os mes¬≠mos dias de maio do ano pas¬≠sa¬≠do.

Out­ro seg­men­to que reduz­iu a que­da de con­sumo foi o de bebidas, que havia reg­istra­do média 33% menor em relação a abril de 2019 e pas­sou para 15% a menos em maio.

A ind√ļs¬≠tria t√™x¬≠til man¬≠teve a mes¬≠ma tend√™n¬≠cia de que¬≠da expres¬≠si¬≠va: 46% em abril e 48% em maio, ambos os meses com¬≠para¬≠dos com os mes¬≠mos de 2019. Con¬≠fi¬≠ra na figu¬≠ra abaixo o desem¬≠pen¬≠ho dos prin¬≠ci¬≠pais seg¬≠men¬≠tos impacta¬≠dos pela Covid-19.

Deman­da region­al

A CCEE anal¬≠isou ain¬≠da o desem¬≠pen¬≠ho do con¬≠sumo de ener¬≠gia el√©tri¬≠ca dos esta¬≠dos, com¬≠para¬≠n¬≠do a m√©dia do per√≠o¬≠do de iso¬≠la¬≠men¬≠to em base anu¬≠al (2020 ante 2019). O lev¬≠an¬≠ta¬≠men¬≠to indi¬≠ca que o Rio de Janeiro man¬≠teve a lid¬≠er¬≠an√ßa do rank¬≠ing, com uma que¬≠da de 21%, segui¬≠do por S√£o Paulo (- 16%). Esp√≠ri¬≠to San¬≠to, Rio Grande do Sul e Ama¬≠zonas com¬≠ple¬≠tam a lista das cin¬≠co maiores redu√ß√Ķes per¬≠centu¬≠ais, todos com 15%.

Qua¬≠tro esta¬≠dos tiver¬≠am alta no con¬≠sumo: Par√° (4%), Amap√° (3%) e Maran¬≠h√£o (2%) e Mato Grosso (1%) ‚ÄĒ por causa da baixa redu√ß√£o da deman¬≠da no mer¬≠ca¬≠do reg¬≠u¬≠la¬≠do (dis¬≠tribuido¬≠ras) e da ele¬≠va√ß√£o do con¬≠sumo em alguns setores da econo¬≠mia nestes esta¬≠dos.

Ao se anal­is­ar o desem­pen­ho por região geográ­fi­ca, Rio de Janeiro lid­era a que­da de con­sumo no Sud­este, em ter­mos per­centu­ais. No Sul do país, o Rio Grande do Sul é o que apre­sen­tou a maior que­da (15%), enquan­to, no Cen­tro-Oeste, a redução mais expres­si­va pro­por­cional ocor­reu no Mato Grosso do Sul (11%).

Nordeste tem a Bahia como o esta­do com maior índice de redução de deman­da (14%). Na região Norte, a maior que­da se deu no Ama­zonas, com 15%.

Revisão de Car­ga

Para dar transpar√™n¬≠cia ao mer¬≠ca¬≠do sobre as an√°lis¬≠es real¬≠izadas a respeito dos impactos da pan¬≠demia da Covid-19 no setor el√©tri¬≠co, a CCEE, a Empre¬≠sa de Pesquisa Energ√©ti¬≠ca ‚ÄĒ EPE e o Oper¬≠ador Nacional do Sis¬≠tema El√©tri¬≠co ‚ÄĒ ONS realizaram nes¬≠ta sex¬≠ta-feira (15) um even¬≠to vir¬≠tu¬≠al sobre o pedi¬≠do de Revis√£o Extra¬≠ordin√°ria da Car¬≠ga. O pleito para que a revis√£o extra¬≠ordin√°ria ocor¬≠ra pre¬≠v√™ uma nova redu√ß√£o na pro¬≠je√ß√£o de car¬≠ga de ener¬≠gia para 2020. A esti¬≠ma¬≠ti¬≠va ante¬≠ri¬≠or apon¬≠ta¬≠va para uma que¬≠da de con¬≠sumo de 0,9% no ano. A nova pre¬≠vis√£o, ap√≥s o agrava¬≠men¬≠to das medi¬≠das de com¬≠bate √† pan¬≠demia da COVID-19, √© de uma retra√ß√£o de 2,9%.

 

PUBLICIDADE