PUBLICIDADE

brasil

Insegurança de voltar às ruas atinge nove em dez pessoas, aponta DataSenado

O DataSe¬≠na¬≠do ver¬≠i¬≠fi¬≠cou que nove em cada dez brasileiros se sen¬≠tem pouco ou nada seguros para fre¬≠quen¬≠tar lugares com grande fluxo de pes¬≠soas, como feiras, bares, restau¬≠rantes e shop¬≠pings, dev¬≠i¬≠do √† pan¬≠demia do novo coro¬≠n¬≠av√≠rus. A pesquisa foi real¬≠iza¬≠da entre os dias 27 e 29 de maio ouviu, por tele¬≠fone, com 1,2 mil pes¬≠soas, em amostra rep¬≠re¬≠sen¬≠ta¬≠ti¬≠va da pop¬≠u¬≠la√ß√£o brasileira. O n√≠v¬≠el de con¬≠fi¬≠an√ßa da pesquisa √© de 95%.

Shoppings 

Imagemm.jpeg

67% se sen­tem nada seguros, 26% pouco seguros, 5% muito seguros e 2% não sou­ber­am ou preferi­ram não respon­der.

Bares e restaurantes

64% se sen­tem nada seguros, 31% pouco seguros, 5% muito seguros e 1% não soube ou preferiu não respon­der.

Feiras

53% se sen­tem nada seguros, 40% pouco seguros, 6% muito seguros e 1% não soube ou preferiu não respon­der.

Per¬≠centu¬≠al semel¬≠hante da pop¬≠u¬≠la√ß√£o (89%) acred¬≠i¬≠ta que h√° muito risco de con¬≠t¬≠a¬≠m¬≠i¬≠na√ß√£o pelo coro¬≠n¬≠av√≠rus no trans¬≠porte p√ļbli¬≠co. Quan¬≠do se tra¬≠ta de esco¬≠las e fac¬≠ul¬≠dades e acad¬≠e¬≠mias, aprox¬≠i¬≠mada¬≠mente 8 em cada 10 brasileiros com¬≠par¬≠til¬≠ham a mes¬≠ma avali¬≠a√ß√£o. Por out¬≠ro lado, os dados indicam que, com¬≠par¬≠a¬≠ti¬≠va¬≠mente, h√° menos receio em rela√ß√£o a √°reas de laz¬≠er, como par¬≠ques e pra¬≠ias, e a ban¬≠cos.

Transportes p√ļblicos

89% avaliam que há muito risco, 10% pouco risco, 1% nen­hum risco e 1% não soube ou preferiu não respon­der.

Escolas e faculdades

Imagemmm.jpeg

83% avaliam que há muito risco, 15% pouco risco e 1% nen­hum risco.

Academias

78% avaliam que há muito risco, 18% pouco risco e 3% nen­hum risco.

Parques e praias

65% avaliam que há muito risco, 29% pouco risco e 6% nen­hum risco.

Bancos

54% avaliam que há muito risco, 43% pouco risco e 2% nen­hum risco.

Essa √© a quar¬≠ta pesquisa nacional real¬≠iza¬≠da pelo DataSe¬≠na¬≠do, em parce¬≠ria com a Sec¬≠re¬≠taria de Comu¬≠ni¬≠ca√ß√£o Social (Sec¬≠om) do Sena¬≠do, des¬≠de o in√≠¬≠cio da pan¬≠demia. O obje¬≠ti¬≠vo √© con¬≠sul¬≠tar a opini√£o p√ļbli¬≠ca sobre assun¬≠tos que est√£o sendo debati¬≠dos e vota¬≠dos na Casa. Os resul¬≠ta¬≠dos s√£o encam¬≠in¬≠hados aos senadores para aux¬≠il¬≠iar nas suas decis√Ķes.

Fonte: Agên­cia Sena­do

PUBLICIDADE