PUBLICIDADE

1.0 - Radareconomia

Inflação acumulada no ano é a menor para novembro desde 1998

A inflação de produtos e serviços desacelerou no Brasil e acumula, no ano, avanço de 2,5% – o mais baixo para o mês de novembro desde 1998, segundo informou nesta sexta-feira (8) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado representa menos da metade da taxa registrada no mesmo período de 2016.

Os preços de alimentos e bebidas, que têm o maior peso no cálculo do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), acumulam queda de 2,4%, a mais intensa desde a implementação do Plano Real em 1994, de acordo com o IBGE. A alimentação fora de casa está 5,25% mais barata, e alguns alimentos como feijão, arroz, farinha e açúcar custam até 40% menos.

“Safra recorde fez com que alimentos ficassem mais baratos. Foi o principal fator”, disse Fernando Gonçalves, gerente de índices de preços ao consumidor do IBGE.

Se por um lado o preço dos alimentos caiu, o do gás de cozinha subiu 14,75%. O impacto no índice geral de preços não foi maior porque seu peso no cálculo não é tão grande quanto o dos itens de alimentação.

Variação acumulada em outros grupos de despesa:

  • Artigos de residência: -1,51%
  • Habitação: 6,68%
  • Vestuário: 2,02%
  • Transportes: 2,84%
  • Saúde e cuidados pessoais: 6,09%
  • Despesas pessoais: 3,96%
  • Educação: 6,94%
  • Comunicação: 1,87%

De outubro para novembro

A alta de preços também perdeu força de outubro para novembro. O IPCA ficou em 0,28% no penúltimo mês do ano, depois de avançar 0,42% em outubro.

Nessa base de comparação, caíram os preços de alimentação e bebidas (-0,38%) e artigos de residência (-0,45%).

“A desaceleração se deve basicamente aos alimentos. O ano de 2017 teve uma safra muito boa, histórica. Embora em novembro [o preço das] hortaliças comecem normalmente a subir, alimentos como ovos e feijões, que já vinham em queda, tiveram uma queda ainda mais acentuada. E algumas frutas, como bananas, também tiveram deflação. Houve oferta maior de alimentos”, disse Gonçalves.

O recuo do IPCA no mês não foi maior porque os preços relativos a habitação subiram 1,27%, sob influência, principalmente, da energia elétrica mais cara (4,21%, em média). Só em Goiânia, a energia elétrica subiu 14,40%. Também subiram os preços de gás de botijão (1,57%) e taxa de água e esgoto (1,32%).

Com o aumento do preços da gasolina (2,92%) e do etanol, Entre os Transportes (0,52% e 0,09 p.p.), destaque para a gasolina e o etanol, mais caros, em média, 2,92% e 4,14%, respectivamente. As passagens aéreas recuaram 10,03% em novembro e, nos ônibus urbanos, a variação de -0,55% reflete a redução de R$ 0,20 nas passagens no Rio de Janeiro (-2,78%).

Em 12 meses, o IPCA chegou a 2,8% – acima dos 2,7% registrados anteriormente. O número segue bem abaixo do centro da meta de inflação do Banco Central, de 4,5% no ano.

 

Foto: Reprodução

Fonte: G1