PUBLICIDADE

brasil

Em artigo secretário da Justiça de São Paulo fala sobre o Dia do Nordestino

Con­fi­ra o arti­go escrito por Paulo Dimas Mas­caret­ti, secretário de Esta­do da Justiça e Cidada­nia de São Paulo, sobre o Dia do Nordes­ti­no, comem­o­ra­do hoje.

Triste realidade

Esta sex¬≠ta-feira, 2 de agos¬≠to, mar¬≠ca os 30 anos da morte do can¬≠tor e com¬≠pos¬≠i¬≠tor per¬≠nam¬≠bu¬≠cano Luiz Gon¬≠za¬≠ga, um dos per¬≠son¬≠agens mais impor¬≠tantes da M√ļsi¬≠ca Pop¬≠u¬≠lar Brasileira. O Rei do Bai√£o retra¬≠tou como poucos a cul¬≠tura, a reli¬≠giosi¬≠dade e os prob¬≠le¬≠mas soci¬≠ais do Nordeste. Na m√ļsi¬≠ca Triste Par¬≠ti¬≠da, do poeta cearense Pata¬≠ti¬≠va do Assar√©, Gon¬≠za¬≠ga can¬≠tou as difi¬≠cul¬≠dades enfrentadas pelo nordes¬≠ti¬≠no obri¬≠ga¬≠do a deixar sua ter¬≠ra natal para bus¬≠car novas opor¬≠tu¬≠nidades em S√£o Paulo. Alguns ver¬≠sos apre¬≠sen¬≠tam a seguinte nar¬≠ra¬≠ti¬≠va: ‚ÄúN√≥s vamos a S√£o Paulo viv¬≠er ou mor¬≠rer. N√≥s vamos a S√£o Paulo que a coisa t√° feia por ter¬≠ras alheias n√≥s vamos vagar. Meu Deus, meu Deus. Se o nos¬≠so des¬≠ti¬≠no n√£o for t√£o mesquin¬≠ho c√° e pro mes¬≠mo can¬≠tinho n√≥s tor¬≠na a voltar‚ÄĚ.

No dia do aniver¬≠s√°rio da morte do can¬≠tor, S√£o Paulo comem¬≠o¬≠ra o Dia do Nordes¬≠ti¬≠no. A data foi inclu√≠¬≠da no Cal¬≠end√°rio Tur√≠s¬≠ti¬≠co do Esta¬≠do, por meio da Lei n¬ļ 8.441/1993, para hom¬≠e¬≠nagear os nordes¬≠ti¬≠nos que migraram em bus¬≠ca de novas opor¬≠tu¬≠nidades. O Esta¬≠do √© o prin¬≠ci¬≠pal des¬≠ti¬≠no de migrantes vin¬≠dos do Nordeste. Em 2015, segun¬≠do dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domic√≠lios (PNAD) do IBGE, eles eram 5,6 mil¬≠h√Ķes, ou seja, mais de 12% da pop¬≠u¬≠la√ß√£o paulista.

Des¬≠de o in√≠¬≠cio do fluxo migrat√≥rio para o Sud¬≠este, por vol¬≠ta da d√©ca¬≠da de 1950, S√£o Paulo tem acol¬≠hi¬≠do o povo nordes¬≠ti¬≠no, gente caris¬≠m√°ti¬≠ca e tra¬≠bal¬≠hado¬≠ra. Em con¬≠tra¬≠parti¬≠da, ess¬≠es migrantes colab¬≠o¬≠raram e con¬≠tin¬≠u¬≠am a con¬≠tribuir com o desen¬≠volvi¬≠men¬≠to econ√īmi¬≠co do maior Esta¬≠do do Brasil.

O Con¬≠sel¬≠ho de Par¬≠tic¬≠i¬≠pa√ß√£o e Desen¬≠volvi¬≠men¬≠to da Comu¬≠nidade Nordes¬≠ti¬≠na (Copane), vin¬≠cu¬≠la¬≠do √† Sec¬≠re¬≠taria da Justi√ßa e Cidada¬≠nia, artic¬≠u¬≠la, prop√Ķe e mon¬≠i¬≠to¬≠ra as pol√≠ti¬≠cas p√ļbli¬≠cas que visam a garan¬≠tir a defe¬≠sa dos dire¬≠itos da comu¬≠nidade nordes¬≠ti¬≠na em S√£o Paulo. Tam¬≠b√©m pro¬≠move a√ß√Ķes para elim¬≠i¬≠nar qual¬≠quer for¬≠ma de dis¬≠crim¬≠i¬≠na√ß√£o, que deve ser repu¬≠di¬≠a¬≠da com veem√™n¬≠cia con¬≠tra qual¬≠quer migrante.

Nes¬≠ta sex¬≠ta-feira e nos pr√≥x¬≠i¬≠mos dias, o Copane pro¬≠mover√° uma s√©rie de a√ß√Ķes para hom¬≠e¬≠nagear os nordes¬≠ti¬≠nos, inclu¬≠sive com a entre¬≠ga da Medal¬≠ha Luiz Gon¬≠za¬≠ga a 18 per¬≠son¬≠al¬≠i¬≠dades civis e mil¬≠itares, insti¬≠tu¬≠i√ß√Ķes p√ļbli¬≠cas e pri¬≠vadas que se desta¬≠cam na luta pelos dire¬≠itos do nordes¬≠ti¬≠no em S√£o Paulo.

A hon¬≠raria paulista hom¬≠e¬≠nageia um dos grandes expoentes da cul¬≠tura per¬≠nam¬≠bu¬≠cana, mas al√©m de Luiz Gon¬≠za¬≠ga out¬≠ra cen¬≠te¬≠na de nordes¬≠ti¬≠nos colaborou para divul¬≠gar e val¬≠orizar o pen¬≠sa¬≠men¬≠to e a arte do povo brasileiro em todo o mun¬≠do. A lista √© imen¬≠sa, mas atre¬≠vo-me a citar alguns nomes, como o int¬≠elec¬≠tu¬≠al Ruy Bar¬≠bosa, o edu¬≠cador e fil√≥¬≠so¬≠fo Paulo Freire, o lex¬≠i¬≠c√≥¬≠grafo Aur√©lio Buar¬≠que de Holan¬≠da Fer¬≠reira, os escritores Jorge Ama¬≠do, Augus¬≠to dos Anjos, Cas¬≠tro Alves, Gilber¬≠to Freyre, Jos√© de Alen¬≠car, Rachel de Queiroz, Gra¬≠cil¬≠iano Ramos, Nel¬≠son Rodrigues, Gon√ßalves Dias, Alu√≠¬≠sio Azeve¬≠do e Ari¬≠ano Suas¬≠suna, o empres√°rio Assis Chateaubriand, os can¬≠tores Dori¬≠val Caym¬≠mi, Raul Seixas, Bel¬≠chior, Cae¬≠tano Veloso, Maria Beth√ʬ≠nia, Fag¬≠n¬≠er, Alceu Valen√ßa, Gal Cos¬≠ta, Z√© Ramal¬≠ho e Elba Ramal¬≠ho, os humoris¬≠tas Tom Cav¬≠al¬≠cante, Rena¬≠to Arag√£o e Chico Any¬≠sio, entre muitos out¬≠ros.

Todos con¬≠tribu√≠ram e con¬≠tribuem, ao seu modo, para a riqueza cul¬≠tur¬≠al brasileira. Out¬≠ros mil¬≠h√Ķes, nas suas mais diver¬≠sas ativi¬≠dades, aju¬≠daram a faz¬≠er de S√£o Paulo o Esta¬≠do de respeito que √©. Mere¬≠cem recon¬≠hec¬≠i¬≠men¬≠to e nos¬≠so tra¬≠bal¬≠ho para que seus dire¬≠itos, seus cos¬≠tumes e suas cren√ßas sejam respeita¬≠dos.

 

PUBLICIDADE