Internet

Cerca de 500 milhões de usuários têm dados roubados por hackers na rede hoteleira Marriott

Cerca de 500 milhões de pessoas tiveram seus dados acessados ilegalmente após se hospedarem em hotéis da rede Marriott, entre os quais W, Sheraton e Westin.
A empresa hoteleira informou que hackers conseguiram “acesso não autorizado” ao sistema de reservas Starwood desde 2014, mas que o problema foi identificado apenas na semana passada. Os dados foram copiados e criptografados. A violação afetou clientes que fizeram reservas até 10 de setembro.

Segundo o Marriott, 327 milhões de pessoas tiveram expostos seus nomes, números de telefone, endereços de e-mail, números de passaporte, data de nascimento e informações de chegada e partida. Outro grupo expressivo teve seus números de cartões de crédito e respectivas datas de vencimento potencialmente comprometidos.

A rede Marriott, que relatou este incidente à polícia e continua a apoiar as investigações, destacou que as informações do cartão de crédito dos clientes estavam criptografadas, mas que era possível que os hackers também tivessem as informações necessárias para decifrá-las.

As vastas reservas de dados pessoais identificáveis disponíveis na Dark Web continuam a crescer a taxas históricas e os fraudadores têm muitos recursos para roubar identidades ou criar novas identidades sintéticas usando uma combinação de informações reais e inventadas, ou informações inteiramente fictícias. Por exemplo: os dados pessoais obtidos em uma violação poderiam ser cruzados com dados obtidos em outra violação e com outras violações amplamente divulgadas. “A violação da Marriott apenas torna essa tarefa muito mais fácil e com maior probabilidade de sucesso. Ter os bancos de dados no mesmo lugar torna esse processo ainda mais simples para os malfeitores”, alerta Michael Magrath, Diretor de Regulamentação e Padrões Globais da OneSpan, líder global em segurança de identidade digital, transações seguras e produtividade para os negócios.

Para o executivo, “os ataques cibernéticos, como o da Marriott, continuarão e é imperativo que as organizações dos setores público e privado não apenas implantem as mais recentes tecnologias de detecção de fraude baseadas em autenticação e risco em suas organizações, mas também garantam que todos os parceiros tenham medidas de segurança cibernética”, conclui Michael Magrath.

Foto: Divulgação

saiba antes via instagram @maisinfluenterevista