PUBLICIDADE

brasilesporte

Brasil e Argentina decidem hoje quem vai à final da Copa América

O Brasil e a Argenti­na abrem na noite de hoje (2) a roda­da semi­fi­nal da Copa Améri­ca, que será con­cluí­da aman­hã (3) entre Chile e Peru. Ao falar sobre a par­ti­da, o treinador Tite preferiu man­ter seg­re­do sobre a escalação da seleção brasileira, não con­fir­man­do a pre­sença do lat­er­al esquer­do Felipe Luís. O jogador se recu­pera de dores mus­cu­lares na coxa dire­i­ta. O téc­ni­co optou por elo­giar o com­por­ta­men­to da tor­ci­da mineira em relação à seleção.

‚ÄúVai ser um grande espet√°cu¬≠lo. Se a tor¬≠ci¬≠da pud¬≠er traz¬≠er todo esse car¬≠in¬≠ho que esta¬≠mos receben¬≠do des¬≠de que a gente chegou aqui em Belo Hor¬≠i¬≠zonte para den¬≠tro do est√°¬≠dio, n√≥s ser¬≠e¬≠mos muito gratos. O Mineir√£o foi o lugar onde n√≥s recebe¬≠mos mais car¬≠in¬≠ho do torce¬≠dor‚ÄĚ, disse Tite ao lem¬≠brar a vit√≥ria do Brasil sobre a Argenti¬≠na por 3 a 0 nas Elim¬≠i¬≠nat√≥rias para a Copa do Mun¬≠do, em 2016.

O jogo des­ta noite, às 21h30, é o sex­to entre o Brasil e a Argenti­na, no está­dio do Mineirão, com ampla van­tagem brasileira. São qua­tro vitórias e um empate.

O primeiro con¬≠fron¬≠to entre as duas sele√ß√Ķes, no Mineir√£o, foi em jogo amis¬≠toso em 1968. O time brasileiro foi for¬≠ma¬≠do por atle¬≠tas que atu¬≠avam em Minas Gerais. O Brasil der¬≠ro¬≠tou a Argenti¬≠na por 3 a 2. Os gols brasileiros foram mar¬≠ca¬≠dos por Eval¬≠do, Rodrigues e Dirceu Lopes, todos jogadores do Cruzeiro.

Sete anos depois, as duas equipes voltaram a se enfrentar, mas em uma par­ti­da ofi­cial, na Copa Améri­ca de 1975, com jogos de ida e vol­ta. Mais uma vez com uma con­vo­cação basea­da no fute­bol mineiro, o Brasil voltou a der­ro­tar a Argenti­na no Mineirão por 2 a 1, com dois gols do cruzeirense Nelin­ho.

Ap√≥s esse jogo, o Mineir√£o pas¬≠saria 29 anos sem rece¬≠ber jogos das duas sele√ß√Ķes. Esse jejum acabou em 2004, quan¬≠do Brasil e Argenti¬≠na se enfrentaram pelas Elim¬≠i¬≠nat√≥rias da Copa do Mun¬≠do, com vit√≥ria brasileira por 3 a 1. O grande destaque do jogo foi o ent√£o cruzeirense Ronal¬≠do. Ele mar¬≠cou tr√™s gols de p√™nalti.

Depois dessa par¬≠ti¬≠da, a sele√ß√£o canarin¬≠ha dis¬≠putou mais dois jogos pelas Elim¬≠i¬≠nat√≥rias no Mineir√£o. Em 2008, o time brasileiro empa¬≠tou em 0 a 0. J√° em 2016, a hist√≥ria foi difer¬≠ente. A O Brasil n√£o tomou con¬≠hec¬≠i¬≠men¬≠to da Argenti¬≠na e venceu por 3 a 0, em uma das mel¬≠hores atu¬≠a√ß√Ķes do time j√° sob o coman¬≠do do t√©c¬≠ni¬≠co Tite. Os gols da par¬≠ti¬≠da foram mar¬≠ca¬≠dos por Philippe Coutin¬≠ho, Paulin¬≠ho e Ney¬≠mar.

Para a par­ti­da de hoje, a seleção acred­i­ta no seu cresci­men­to cole­ti­vo e na sua forte defe­sa, que nes­ta Copa Améri­ca ain­da não sofreu gol. A Argenti­na, com uma equipe ren­o­va­da, apos­ta no seu prin­ci­pal jogador: Leonel Mes­si.

‚ÄúTen¬≠ho con¬≠fi¬≠an√ßa na min¬≠ha equipe. Con¬≠vic√ß√£o que vamos entrar e faz¬≠er um grande jogo. Cada par¬≠ti¬≠da tem a sua hist√≥ria. Con¬≠to muito com o nos¬≠so cole¬≠ti¬≠vo. Temos cresci¬≠do mes¬≠mo no sen¬≠ti¬≠do de ser um time. √Č muito dif√≠¬≠cil de se cri¬≠ar isso numa sele√ß√£o. Ser√° uma par¬≠ti¬≠da que n√£o tem chance para erro‚ÄĚ, disse o goleiro Alis¬≠son, durante entre¬≠vista √† impren¬≠sa no come√ßo da noite dessa segun¬≠da-feira (1¬ļ).

Agên­cia Brasil

Foto: Hen­ry Romero/Reteurs/direitos reser­va­dos

PUBLICIDADE