PUBLICIDADE

mundo

Argentina pede apoio do Brasil para renegociar dívida com FMI

A Argenti¬≠na quer o apoio do Brasil para rene¬≠go¬≠ciar sua d√≠vi¬≠da com o Fun¬≠do Mon¬≠et√°rio Inter¬≠na¬≠cional (FMI), disse na quar¬≠ta-feira (12) o min¬≠istro de Rela√ß√Ķes Exte¬≠ri¬≠ores, Com√©r¬≠cio Inter¬≠na¬≠cional e Cul¬≠to da Argenti¬≠na, Felipe Sol√°, durante encon¬≠tro com o chancel¬≠er brasileiro, Ernesto Ara√ļjo, no Pal√°¬≠cio do Ita¬≠ma¬≠raty.

Na opor¬≠tu¬≠nidade, o min¬≠istro argenti¬≠no clas¬≠si¬≠fi¬≠cou a viagem ao Brasil como um ‚Äúmar¬≠co de aprox¬≠i¬≠ma√ß√£o e amizade‚ÄĚ, ape¬≠sar de ter sido adi¬≠a¬≠da ‚Äúpor out¬≠ros fatores‚ÄĚ.

‚ÄúA mis¬≠s√£o que lid¬≠ero tem como obje¬≠ti¬≠vo dis¬≠cu¬≠tir o Mer¬≠co¬≠sul e a agen¬≠da bilat¬≠er¬≠al e out¬≠ros temas, em uma con¬≠ver¬≠sa fran¬≠ca. Tem tam¬≠b√©m a respon¬≠s¬≠abil¬≠i¬≠dade e o prop√≥si¬≠to de esclare¬≠cer o esta¬≠do das coisas do atu¬≠al gov¬≠er¬≠no argenti¬≠no‚ÄĚ, acres¬≠cen¬≠tou Sol√°.

Segun¬≠do Sol√°, a Argenti¬≠na vive uma ‚Äúsitu¬≠a√ß√£o dif√≠¬≠cil‚ÄĚ, com graves prob¬≠le¬≠mas de deman¬≠da inter¬≠na e exter¬≠na, que¬≠da no super¬≠av¬≠it e uma ‚Äúd√≠vi¬≠da exter¬≠na absur¬≠da‚ÄĚ que teria por base um ‚Äúsis¬≠tema cam¬≠bial irre¬≠spon¬≠s√°v¬≠el‚ÄĚ.

Al√©m dis¬≠so, acres¬≠cen¬≠tou, o pa√≠s viz¬≠in¬≠ho vive ‚Äúuma infla√ß√£o alt√≠s¬≠si¬≠ma, com cifras astron√īmi¬≠cas, se com¬≠para¬≠das √†s do Brasil‚ÄĚ. Para ele, essa situ¬≠a√ß√£o pre¬≠cisa ser encar¬≠a¬≠da ‚Äúsem artif√≠¬≠cios m√°gi¬≠cos‚ÄĚ.

Diante desse cen√°rio, a Argenti¬≠na tem bus¬≠ca¬≠do rene¬≠go¬≠ciar a d√≠vi¬≠da que tem com o FMI. ‚ÄúJ√° fize¬≠mos vis¬≠i¬≠tas, na bus¬≠ca de apoio de pa√≠s¬≠es europeus. Ped¬≠i¬≠mos tam¬≠b√©m ao gov¬≠er¬≠no brasileiro que nos apoie nes¬≠sa quest√£o com o FMI, de for¬≠ma a dar¬≠mos o primeiro pas¬≠so para um acor¬≠do. Quer¬≠e¬≠mos tem¬≠po para poder¬≠mos crescer e pagar nos¬≠sas d√≠vi¬≠das‚ÄĚ, disse o argenti¬≠no.

Solá acres­cen­tou que seu país tem atu­a­do forte­mente para super­ar pendên­cias que tem na área agrí­co­la e san­itária, visan­do à super­ação de bar­reiras com­er­ci­ais.

Em dis¬≠cur¬≠so, o min¬≠istro Ernesto Ara√ļjo disse que o Brasil tem ‚Äúcon¬≠vic√ß√£o e expec¬≠ta¬≠ti¬≠va‚ÄĚ de con¬≠tar com a parce¬≠ria da Argenti¬≠na em temas essen¬≠ci¬≠ais para o pro¬≠je¬≠to de con¬≠sol¬≠i¬≠da√ß√£o do Mer¬≠co¬≠sul como platafor¬≠ma de inser√ß√£o na econo¬≠mia inter¬≠na¬≠cional. ‚ÄúTemos inter¬≠esse com¬≠er¬≠cial de nos posi¬≠cion¬≠ar¬≠mos como polo de cresci¬≠men¬≠to econ√īmi¬≠co; na deter¬≠mi¬≠na√ß√£o de tra¬≠bal¬≠har pela democ¬≠ra¬≠cia na nos¬≠sa regi√£o e na dimen¬≠s√£o da segu¬≠ran√ßa e com¬≠bate ao crime orga¬≠ni¬≠za¬≠do‚ÄĚ, disse o min¬≠istro brasileiro.

De acor¬≠do com Ara√ļjo, Brasil e Argenti¬≠na se reunir√£o com rep¬≠re¬≠sen¬≠tantes de out¬≠ros pa√≠s¬≠es no Canad√° na sem¬≠ana que vem, para dis¬≠cu¬≠tir como con¬≠tribuir para a rede¬≠moc¬≠ra¬≠ti¬≠za¬≠√ß√£o da Venezuela. ‚ÄúNa nos¬≠sa con¬≠ver¬≠sa, falam¬≠os de nos¬≠sa pre¬≠ocu¬≠pa√ß√£o e empen¬≠ho pela democ¬≠ra¬≠cia. Temos aspi¬≠ra√ß√£o democr√°ti¬≠ca fun¬≠da¬≠cional em nos¬≠so blo¬≠co. Nesse sen¬≠ti¬≠do decidi¬≠mos con¬≠tribuir para a tran¬≠si√ß√£o democr√°ti¬≠ca da Venezuela‚ÄĚ, afir¬≠mou Ara√ļjo.

(Foto: Val­ter Cam­pana­to)

Por Agên­cia Brasil

 

PUBLICIDADE