PUBLICIDADE

brasileconomia

Alta do preço das carnes puxa inflação em novembro no país, diz IBGE

A alta de 8,09% no pre√ßo das carnes foi o item que mais influ¬≠en¬≠ciou a infla√ß√£o ofi¬≠cial, medi¬≠da pelo √ćndice Nacional de Pre√ßos ao Con¬≠sum¬≠i¬≠dor Amp¬≠lo (IPCA), em novem¬≠bro deste ano. Segun¬≠do dados divul¬≠ga¬≠dos hoje (6) pelo Insti¬≠tu¬≠to Brasileiro de Geografia e Estat√≠s¬≠ti¬≠ca (IBGE), o IPCA ficou em 0,51% em novem¬≠bro, maior taxa para o m√™s des¬≠de 2015 (1,01%).

Os ali­men­tos e bebidas tiver­am uma alta de preços de 0,72%. Além das carnes, tam­bém con­tribuíram para a inflação os cereais, legu­mi­nosas e oleagi­nosas (1,65%), óleos e gor­duras (1,33%), os pro­du­tos pan­i­fi­ca­dos (0,71%) e as carnes indus­tri­al­izadas (0,69%). Com isso, se ali­men­tar em casa ficou 1,01% mais caro em novem­bro.

‚ÄúA ali¬≠men¬≠ta√ß√£o no domi¬≠cilio vin¬≠ha cain¬≠do h√° seis meses. A alta de ago¬≠ra foi pux¬≠a¬≠da pelas carnes. Para ter uma ideia do peso do aumen¬≠to das carnes, o grupo ali¬≠men¬≠ta√ß√£o e bebidas sem as carnes teri¬≠am um resul¬≠ta¬≠do de defla√ß√£o de 0,18%‚ÄĚ, disse o pesquisador do IBGE Pedro Kislanov.

A ali­men­tação fora de casa teve alta de preços de 0,21% no perío­do. Por out­ro lado, tiver­am que­da de preços ali­men­tos como tubér­cu­los, raízes e legumes (-12,15%), hor­tal­iças (-2,20%) e leites e deriva­dos (-0,93%).

Alguns itens n√£o ali¬≠men¬≠t√≠¬≠cios tam¬≠b√©m tiver¬≠am impacto impor¬≠tante sobre a infla√ß√£o neste m√™s, como as lote¬≠rias (24,35%), a ener¬≠gia el√©tri¬≠ca (2,15%), o plano de sa√ļde (0,59%) e o etanol (2,46%).

Gru­pos de despe­sas

Entre os gru¬≠pos de despe¬≠sas, os prin¬≠ci¬≠pais impactos vier¬≠am da ali¬≠men¬≠ta√ß√£o (0,72%), despe¬≠sas pes¬≠soais (1,24%) e habita√ß√£o (0,71%). Tam¬≠b√©m tiver¬≠am infla√ß√£o os gru¬≠pos trans¬≠portes (0,30%), ves¬≠tu√°rio (0,35%), sa√ļde e cuida¬≠dos pes¬≠soais (0,21%) e edu¬≠ca√ß√£o (0,08%).

Por out­ro lado, tiver­am deflação (que­da de preços) os gru­pos de despe­sas arti­gos de residên­cia (-0,36%) e comu­ni­cação (-0,02%).

Fonte: Agên­cia Brasil

PUBLICIDADE