PUBLICIDADE

Mercado

X demitiu ilegalmente funcionária que contestou retorno ao presencial, diz conselho trabalhista

A plataforma de rede social X (ex-Twitter), de Elon Musk, demitiu ilegalmente uma funcionária em retaliação por suas publicações online contestando a política da empresa de retorno ao escritório, disse o conselho trabalhista norte-americano.

Na denúncia, a diretoria regional do NLRB (sigla em inglês para o Conselho Nacional de Relações Trabalhistas dos EUA) acusou a plataforma X, de violar a lei federal que proíbe punir funcionários por se comunicarem e se organizarem com outras pessoas sobre suas condições de trabalho. A rede social não respondeu imediatamente a um pedido de comentário da Reuters.

O NLRB disse que a disputa teve início em 10 de novembro de 2022, depois que Musk ordenou que os trabalhadores retornassem ao escritório em novembro do ano passado e supostamente disse “se você pode comparecer fisicamente ao escritório e não aparece, aceitamos o pedido de demissão”.

A funcionária Yao Yue respondeu com uma publicação no Twitter dizendo aos colegas de trabalho: “Não se demitam, deixem que ele demita vocês”. Poucos dias depois, ela foi demitida, o que viola a legislação norte-americana sobre relações trabalhistas, de acordo com a denúncia.

Musk concluiu a aquisição do Twitter por US$ 44 bilhões em outubro do ano passado e iniciou sua gestão com uma série de demissões, incluindo de altos executivos, reduzindo mais da metade da força de trabalho como medida de corte de custos.

A empresa está enfrentando uma série de processos judiciais decorrentes das demissões, incluindo alegações de que direcionou as demissões a mulheres e trabalhadores com deficiências e que não pagou a indenização prometida aos funcionários demitidos

A empresa tem negado irregularidades nos casos em que apresentou respostas.

*Por Forbes