PUBLICIDADE

corpo & fitness

Pode comer chocolate sim!

Chocolate, pode? Pode sim. Então aproveite a Páscoa, mas fique atento. A nutricionista Tamara Hamnle diz que o segredo do sucesso no emagrecimento é o equilíbrio entre o que o organismo precisa e o que se está fornecendo a ele. No caso, existem muitos benefícios no consumo de chocolate, mas sempre em porções moderadas, pois também é alto o valor de calorias e gorduras. Bom senso e moderação, essas são as palavras-chave para esta época do ano que consumimos muito mais chocolate.

“Dentro do consultório aconselho o consumo da versão amarga e meio amargo, pois contém maiores quantidades de cacau, ou seja, possui mais propriedade de nutrientes do que a versão ao leite”, explica Tamara. A nutricionista desaconselha o consumo do chocolate branco, pois não possui as mesmas propriedades benéficas e tem um teor maior de gorduras.

História do chocolate

A origem do consumo de chocolate é bastante antiga. Civilizações maias e astecas já usavam o cacau (chamado xocoalt) como matéria prima de bebidas para rituais religiosos e somente a elite poderia fazer o uso. Temperavam com especiarias, geralmente pimenta, baunilha e anis, e acreditava-se que combatia o cansaço (além de ser afrodisíaco). Além disso, as sementes de cacau eram usadas como dinheiro e moeda de troca muito valiosa.

Com a conquista dos espanhóis sobre o império Asteca, Cortés levou a bebida para a Europa, que considerou o paladar muito amargo. Diferentemente da população indígena, que consumia a bebida fria, sem nenhum adoçante e naturalmente sem leite, os europeus decidiram “temperar” o cacau com canela e açúcar de cana, além de fazer a bebida quente. Foi bastante utilizada pela tripulação espanhola de Cortés, pois acreditavam que uma taça da preciosa bebida permitia aos homens caminhar um dia inteiro sem necessidade de outros alimentos.

Na primeira metade do século XIX, os portugueses já haviam trazido o cacau para o Brasil, que se tornou o maior produtor na época, e hoje essa atividade ainda é bastante significativa.

Hoje, nosso país, além de ser um grande produtor, é também um voraz consumidor do chocolate, que nada tem de parecido com a bebida que se fazia séculos atrás. Mas ele não é um vilão, só evitar o consumo exagerado que se acaba o problema.

Foto: Reprodução