PUBLICIDADE

saúde

Perda de peso acentuada: o que pode estar por trás desse problema?

Atualmente o peso é uma questão em evidência: seja pela estética ou pela saúde, milhares de pessoas enfrentam uma luta diária contra a balança. Não é a toa que o assunto está sempre em voga, especialmente quando se trata de perder alguns quilinhos.

Porém, para aqueles que vivem a situação oposta, onde ganhar ou manter peso é um desafio, encontrar informações a respeito nem sempre é tarefa fácil. Diferente do que muitos podem imaginar perder peso sem razão aparente também é motivo de alerta: em geral, quando o individuo não faz nenhuma alteração em sua rotina para que tal mudança ocorra, esse quadro pode indicar algum problema de saúde, especialmente quando essa redução é acentuada.

Atentar para essas questões e buscar auxílio médico são medidas essenciais para contornar o problema e prevenir complicações.

Peso e saúde

Boa parte das pessoas tem a consciência de que parar ter uma boa saúde é essencial manter o peso saudável, contudo, essa questão está quase sempre associada ao emagrecimento: na maioria das vezes, perder peso é encarado como algo positivo.

Porém, nem sempre essa perda representa um benefício à saúde: se isso ocorre sem qualquer esforço e sem mudanças nos hábitos alimentares pode ser um indício de alguma anormalidade. Se não investigado e tratado, o problema pode afetar ainda mais o funcionamento do corpo em virtude da degradação da massa corporal.

O corpo é composto, entre outros elementos, por massa magra e massa gorda – ambas fundamentais para seu bom funcionamento. Ter um peso saudável depende de um equilíbrio entre essas medidas, porém, quando se emagrece de maneira involuntária e acentuada, esses elementos podem ser afetados de forma severa, prejudicando a imunidade e impactando a saúde.

  • Massa magra: ao contrário do que muitos podem pensar essa massa não se resume somente aos músculos. Ela é composta pelos tecidos, ligamentos, órgãos, ossos e fluídos corporais, além do tecido muscular. Como compõe boa parte da estrutura corporal, a manutenção da massa magra é essencial para preservação das funções mais básicas do organismo.
  • Massa gorda: nada mais é do que a concentração de gordura em todo o corpo que, apesar de ser interpretada por muitos como um mal a ser combatido, também exerce um papel importante no organismo. A gordura age como barreira de proteção aos órgãos, auxilia na manutenção da temperatura corporal, age no transporte de alguns micronutrientes e representa uma importante fonte de energia para o corpo. Logo, ela também é essencial à saúde, o problema acontece quando essa massa encontra-se em excesso no organismo.

Razões para o emagrecimento involuntário

Ainda que o problema possa parecer, a princípio, algo inofensivo, é essencial buscar auxílio médico para investigar o quadro. Em geral, a perda de peso involuntária acompanha algum problema subjacente: desde fatores psicológicos capazes de prejudicar o apetite, até disfunções específicas que levam a inapetência, afetam o metabolismo ou prejudicam a absorção de nutrientes.

Além disso, o quadro também pode ser comum em idosos e pacientes com doenças crônicas. Muitas vezes, a perda de peso acentuada e não intencional pode ocorrer em virtude um tratamento ou da evolução de um quadro clínico – nesses casos, a terapia nutricional é fundamental para combater o problema e reduzir os danos causados pela queda brusca da massa corporal.

Problemas relacionados

  • Sarcopenia: é o nome dado a perda de massa magra que ocorre, geralmente, na terceira idade. Apesar de ser própria do envelhecimento, requer atenção especial, uma vez que a redução significativa da massa magra pode prejudicar a mobilidade do idoso, sua autonomia e imunidade.
  • Caquexia: ainda que apresente sintomas semelhantes à desnutrição, a caquexia é uma síndrome multifatorial severa que, em geral, acomete pacientes de doenças crônicas. É caracterizada por uma perda de peso acentuada, especialmente de massa magra. Devido sua complexidade requer uma terapia nutricional especializada, muitas vezes apoiada pelo uso de suplementos.

Quando é preciso ficar alerta

É natural que ao longo da vida de um indivíduo, seu peso oscile por razões diversas. Perder o apetite ocasionalmente é comum, especialmente em períodos nos quais se enfrenta situações de stress ou ansiedade. Tratamentos clínicos ou uso de alguns medicamentos também podem afetar o apetite e fazer com que a pessoa coma menos. Contudo, quando o ponteiro da balança cai sem que a pessoa esteja de fato comendo menos, seguindo uma dieta restritiva ou praticando exercícios mais intensos, é preciso ficar atento ao corpo.

Combatendo a falta de apetite

Mesmo que multifatorial, a perda de peso acentuada é acompanhada, geralmente, pela inapetência. Neste âmbito, algumas dicas podem ser úteis para uma alimentação mais saudável. Esses hábitos podem auxiliar a combater a falta de apetite e a perda de peso brusca. Obviamente, é importante respeitar as restrições alimentares de cada indivíduo e sempre procurar orientação médica diante de qualquer anormalidade.

  • Devagar e sempre: se o apetite está reduzido ou outros problemas prejudicam na ingestão de alimentos, procure fracionar as refeições em pequenas porções ao longo do dia.
  • Não pule refeições: comer a cada 3 horas é essencial para manter o metabolismo estável e evitar a queda da glicemia no organismo. Alimentando-se regularmente, a energia está sempre disponível e o organismo não precisa recorrer a outras fontes. Esta regra também vale para os pacientes que utilizam a terapia nutricional enteral.
  • Busque auxílio médico: está enfrentando problemas com a manutenção do peso? Independente da motivação procure sempre um médico e consulte um nutricionista. Com ajuda profissional será mais fácil contornar o problema e garantir mais qualidade de vida.

Foto: Reprodução

PUBLICIDADE