PUBLICIDADE

economia

IPCA-15 desacelera e fecha janeiro em alta de 0,31%, abaixo do esperado

O IPCA-15, prévia da inflação oficial do país, interrompeu a tendência de aceleração observada desde outubro e fechou o mês de janeiro com alta de 0,31%, informou nesta sexta-feira (26) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O dado veio abaixo do esperado pelo consenso da LSEG, que era de inflação mensal de 0,47%.

Nos √ļltimos 12 meses, a varia√ß√£o do IPCA-15 foi de 4,47%, ante os 4,72% observados nos 12 meses at√© dezembro. Para essa leitura, o consenso dos analistas estava em 4,63%.

A prévia da inflação estava em processo de aceleração desde outubro, quando subiu 0,21%, seguido por 0,33% em novembro e 0,40% em dezembro.

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE, sete registraram alta em janeiro. A maior variação (1,53%) e o maior impacto (0,32 p.p.) vieram de Alimentação e Bebidas.

O grupo Sa√ļde e cuidados pessoais (0,56%) acelerou em rela√ß√£o ao m√™s anterior (0,14%), enquanto Habita√ß√£o (0,33%) registrou alta menos intensa em janeiro. O grupo Transportes caiu 1,13% em janeiro e contribuiu com -0,24 p.p. prar o indicador do m√™s. As demais varia√ß√Ķes ficaram entre a queda de 0,03% de Comunica√ß√£o e a alta 0,56% de Despesas Pessoais.

Alimentos e Bebidas

No grupo Alimentação e bebidas, a alimentação no domicílio subiu 2,04% em janeiro. Contribuíram para esse resultado as altas da batata-inglesa (25,95%), tomate (11,19%), arroz (5,85%), frutas (5,45%) e carnes (0,94%).

A alimenta√ß√£o fora do domic√≠lio (0,24%) desacelerou em rela√ß√£o a dezembro (0,53%). Tanto a refei√ß√£o (0,32%) quanto o lanche (0,16%) tiveram varia√ß√Ķes inferiores √†s do m√™s anterior (0,46% e 0,50%, respectivamente).

Sa√ļde

Em Sa√ļde e cuidados pessoais (0,56%), o resultado foi influenciado pelo plano de sa√ļde (0,77%) e pelos itens de higiene pessoal (0,58%). Destacam-se as altas do desodorante (1,57%), do produto para pele (1,13%) e do perfume (0,65%).

Habitação

No grupo Habita√ß√£o (0,33%), o resultado da energia el√©trica residencial (-0,14%) foi influenciado pela incorpora√ß√£o de altera√ß√Ķes nas al√≠quotas de ICMS em Recife (1,56%), Fortaleza (-0,18%) e Salvador (-3,89%), a partir de 1¬ļ de janeiro, bem como pela apropria√ß√£o residual do reajuste de -1,41% nas tarifas de uma das concession√°rias pesquisadas em Porto Alegre (0,32%), a partir de 22 de novembro.

Transportes

No grupo Transportes, houve queda na passagem aérea, subitem com maior impacto individual no índice do mês (com variação de -15,24% e impacto de -0,16 p.p. no indicador).

Em rela√ß√£o aos combust√≠veis (-0,63%), houve recuo nos pre√ßos do etanol (-2,23%), do √≥leo diesel (-1,72%) e da gasolina (-0,43%), enquanto o g√°s veicular (2,34%) registrou alta. O subitem t√°xi apresentou alta de 0,69% devido aos reajustes, a partir de 1¬ļ de janeiro, de 4,21% no Rio de Janeiro (1,97%) e de 4,61% em Salvador (2,18%).