PUBLICIDADE

1.0 - RADAR3.0 - NEG√ďCIOS

D√ļvidas de quem vai trocar dinheiro para viajar

 

Viajar para o exterior exige planejamento financeiro e √© comum que surjam d√ļvidas para lidar com c√Ęmbio, principalmente em meio ao atual cen√°rio de instabilidade econ√īmica. Para ajudar quem vai desembarcar em outro pa√≠s, Mauriciano Cavalcante, diretor de c√Ęmbio da Ourominas, responde as principais d√ļvidas sobre o assunto:

Qual o limite para compra de moeda estrangeira?

H√° um limite de R$ 10 mil para compra de c√Ęmbio em esp√©cie. Para uma quantia maior, √© necess√°rio comprovar capacidade financeira ‚Äď por meio de uma declara√ß√£o de algum bem, por exemplo ‚Äď e a transfer√™ncia √© feita na conta da corretora. Nos EUA, h√° um limite de US$ 10 mil para entrar no pa√≠s sem ter de declarar e para viajar com um valor acima √© necess√°rio declarar na Receita Federal no Brasil, a fim de evitar problemas com a Justi√ßa americana. Cada pa√≠s possui uma legisla√ß√£o, √© preciso conhece-la bem durante o planejamento da viagem.

√Č poss√≠vel comprar d√≥lar comercial?

N√£o. O d√≥lar comercial √© usado apenas em negocia√ß√Ķes na bolsa e como refer√™ncia para importa√ß√Ķes, exporta√ß√Ķes e para as taxas das moedas negociadas nas empresas de turismo. Ele n√£o existe em esp√©cie.

Como saber se o c√Ęmbio √© justo? D√≥lar e Euro giram em torno de quanto?

D√≥lar e Euro custam, em m√©dia, de 5% a 5,5% sobre o d√≥lar comercial, j√° incluso o IOF (Imposto sobre Opera√ß√Ķes Financeiras). Como a concorr√™ncia no mercado est√° grande, esse percentual tem se mantido est√°vel. A melhor forma de economizar √© pesquisando em diversas casas de c√Ęmbio.

Para viajar a um país cuja moeda seja diferente de Dólar ou Euro, é melhor trocar no Brasil ou lá?

√Č interessante diversificar as moedas, mas depende do pa√≠s de destino. O D√≥lar √© bem aceito em qualquer lugar; j√° o Real, s√≥ em alguns. De qualquer forma, a recomenda√ß√£o √© j√° sair do Brasil com a moeda local do destino, se houver essa possibilidade, pois algumas n√£o s√£o cambi√°veis aqui. A moeda russa, por exemplo, at√© pouco tempo n√£o era negociada no Brasil.

Para turistas que vão passar por vários países com moedas diferentes, como proceder?

O ideal seria carregar o cart√£o pr√©-pago com as moedas que ser√£o utilizadas, mas existem poucos no mercado que suportem uma variedade de c√Ęmbio ‚Äď h√° apenas uma op√ß√£o que possibilita levar at√© seis diferentes. A solu√ß√£o √© levar D√≥lares – uma parte no cart√£o pr√©-pago e outra em esp√©cie – e trocar em cada local por onde passar, apesar das desvantagens das taxas.

O que fazer com o dinheiro que sobrou da viagem? H√° taxas para recompra?

A recompra é garantida pelo mercado, porém, há desvalorização, pois o pagamento é feito com base no dólar comercial e com deságio de até 5%.

Qual a antecedência ideal para comprar moeda?

Sempre recomendamos que a compra seja gradual. Deixar para a √ļltima hora √© arriscado, pois a varia√ß√£o cambial pode deixar a moeda mais cara de um dia para outro. √Č necess√°rio ter paci√™ncia e sempre estar de olho nas cota√ß√Ķes para achar os melhores momentos. E, claro, n√£o entre em ciladas, compre sempre em uma corretora, distribuidora ou casa de c√Ęmbio autorizada pelo Banco Central.

Dinheiro em espécie ou cartão? Qual é mais vantajoso para qual situação?

Leve as duas op√ß√Ķes. Coloque cerca de 70% da quantia no cart√£o pr√©-pago, ideal para fazer compras, e garanta 30% em esp√©cie, para os primeiros gastos no pa√≠s ou pequenas compras, como tomar um lanche ou pegar um t√°xi. A principal vantagem do pr√©-pago √© que, caso haja perda ou roubo, √© poss√≠vel bloquear e a corretora realiza a substitui√ß√£o. Por outro lado, o IOF √© mais caro, 6,38%, enquanto para dinheiro em esp√©cie √© de 1,1%. Al√©m disso, o turista paga uma taxa entre US$ 2 e US$ 3 para sacar nos caixas eletr√īnicos. O que n√£o recomendo √© usar cart√£o de cr√©dito, cujo valor a ser pago depende do c√Ęmbio no dia em que cair a fatura.

 

Foto: Reprodução

PUBLICIDADE