PUBLICIDADE

3.0 - NEG√ďCIOS

Cresce o interesse de jovens pelo empreendedorismo

Em julho de 2016, a empresa Mind Miners e o Centro de Inteligência Padrão (CIP) realizaram a Pesquisa Jovens Digitais: Geração Transformadora, que entrevistou 1330 jovens de todo o Brasil, nascidos entre 1985 e 1999, com o objetivo de analisar tendências sociais, do trabalho e de consumo desta geração chamada millenials. O estudo apurou que 71% dos jovens entrevistados pretendem mudar de emprego ou atividade entre 2 e 5 anos e que 51% desse montante deseja enveredar pelo empreendedorismo e ter um negócio próprio. O empreendedor digital e idealizador dos sites Empreendedor Digital e Férias Sem Fim, Bruno Picinini, incluído nesta geração, já fez este caminho há alguns anos, deixando um emprego estável em um escritório de arquitetura para se dedicar ao empreendedorismo. Munido de sua experiência, Picinini dá alguns conselhos para estes jovens que planejam, em breve, seguir rumo semelhante.

O mais comum √© que o jovem, ainda iniciando no mercado de trabalho, n√£o possua muito dinheiro para iniciar o neg√≥cio pr√≥prio. Desse modo, Picinini recomenda que se invista em um neg√≥cio online, que tem um potencial muito grande e se pode come√ßar, sem problemas, com um investimento muito baixo. ‚ÄúPode-se iniciar at√© sem gastar nada. Com um canal no Youtube, por exemplo. Teste e veja o que d√° certo. Avance conforme a renda aumentar‚ÄĚ, afirma o empreendedor digital. Segundo Picinini, em um neg√≥cio convencional, facilidades como estas n√£o existem. ‚ÄúO empres√°rio sempre ter√° custos grandes de estoque, log√≠stica, aluguel, funcion√°rios, e outros‚ÄĚ, diz.

ctii7npwgaag-q9

Picinini recomenda especialmente o neg√≥cio online baseado na venda de infoprodutos, chamado por ele de ‚ÄúNeg√≥cio Lifestyle‚ÄĚ. O objetivo deste tipo de empreendimento, segundo o empres√°rio, √© simples: financiar a liberdade e estilo de vida de quem est√° empreendendo. ‚Äú√Č com um neg√≥cio assim que se pode come√ßar com pouco e escolher exatamente a √°rea na qual se quer trabalhar‚ÄĚ. De acordo com Picinini √© o tipo de empreendimento mais f√°cil e est√°vel. Esse perfil de empreendimento tamb√©m √© ideal, segundo o empreendedor, para o jovem que tem que dividir seu tempo com outras atividades, como estudo e emprego. Ao comercializar um infoproduto suas vendas n√£o dependem do tempo em si. ‚Äú√Č s√≥ o tempo de preparar e montar o neg√≥cio. Depois, s√≥ √© preciso continuar vendendo mesmo sem fazer muito mais, ou quase nada‚ÄĚ, afirma.

A empolga√ß√£o √© algo corriqueiro nos jovens. Neste sentido, aumentam as chances de um jovem querer fazer de um passatempo ou de uma paix√£o um neg√≥cio. Contudo, este hobby ou esta paix√£o nem sempre tem um mercado lucrativo. Picinini aconselha que o jovem que deseja se tornar um empreendedor tome cuidado para n√£o cair nesse tipo de armadilha. Segundo o empreendedor, quando se trata de neg√≥cio quem d√° as cartas √© o mercado. ‚ÄúNingu√©m se importa se voc√™ gosta de fazer a atividade X ou Y. O que interessa para seu p√ļblico consumidor √© se voc√™ pode ajud√°-los‚ÄĚ, declara.¬† Em um aspecto mais geral, Picinini aconselha que os empreendedores jovens tenham cuidado com frases que romantizam o mercado de trabalho como ‚Äúfa√ßa o que voc√™ ama‚ÄĚ ou ‚Äúacredite em seus sonhos‚ÄĚ. ‚ÄúSe voc√™ n√£o combinar amor e sonhos com uma boa dose de trabalho, n√£o vai adiantar nada‚ÄĚ, conclui.

PUBLICIDADE