PUBLICIDADE

7.0 - MANUAL

Carnaval nas Américas!

 

O Carnaval √© uma excelente¬†oportunidade para aprofundar o interesse de crian√ßas e jovens pelas manifesta√ß√Ķes culturais, seja na escola ou com a fam√≠lia, por meio de¬†m√ļsica, arte, moda, hist√≥ria e tantos outros. Os desfiles e os blocos de rua realizados no Brasil s√£o famosos em todo o mundo, mas nossos vizinhos americanos tamb√©m t√™m caem na folia. Reunimos seis festas que acontecem nas Am√©ricas. Confira:

 

Canad√°

O Quebec Winter Carnival √© celebrado desde pelo menos o final do s√©culo XIX, mas apenas em 1955 passou a ser realizado todos os anos. Nas paradas, os destaques s√£o o mascote Bonhomme – boneco de neve com gorro vermelho –, as luzes e as esculturas de gelo. H√° tamb√©m festas p√ļblicas e particulares, shows, queima de fogos e bailes.

A festividade canadense ocorre tradicionalmente entre o final de janeiro e in√≠cio de fevereiro, com dura√ß√£o m√©dia de 15 dias. O frio e a neve¬†desafiam os foli√Ķes a sa√≠rem de casa em uma temperatura de at√© -10¬ļ C.

 

Col√īmbia

O Carnaval da cidade de Barranquilha, na Col√īmbia, foi declarado Patrim√īnio Cultural Imaterial da Humanidade pela Unesco em 2003 e √© considerada a segunda maior festa do g√™nero no mundo, atr√°s¬†do Rio de Janeiro.

Com forte apelo folcl√≥rico, √© uma celebra√ß√£o que data, pelo menos, desde o s√©culo XIX: as atividades da cidade s√£o paralisadas e as ruas s√£o tomadas por foli√Ķes.

A Batalha das Flores √© o momento mais aguardado e marca a abertura da festa. Liderado pela rainha do Carnaval, o desfile de seis horas traz muita m√ļsica, fantasias e carros aleg√≥ricos. T√≠picos do Carnaval de Barranquila, os¬†Marimondas s√£o personagens vestidos de capuz com um longo nariz e grandes orelhas.¬†Ritmos t√≠picos, como o mapal√© e a cumbia, embalam as atividades e festas ao ar livre.

 

Bolívia

Tamb√©m reconhecido como Patrim√īnio Cultural Imaterial da Humanidade, o Carnaval da cidade de Oruro teve origem, h√° mais de dois s√©culos, na Festa de Ito, comemora√ß√£o do antigo povo uru para celebrar seus deuses por meio de dan√ßas que invocavam as divindades andinas de Pacha Mama e Tio Supay. Remete a antigas tradi√ß√Ķes ind√≠genas, incorporadas posteriormente √† tradi√ß√£o crist√£ ligada √† Virgem da Candel√°ria.

Proibidos pelos espanh√≥is de honrar suas divindades, os urus as sincretizaram com a Virgem e o Diabo, refor√ßando a principal caracter√≠stica do Carnaval de Oruro hoje em dia: as Diabladas, dan√ßas em que os foli√Ķes usam m√°scaras e trajes demon√≠acos.

 

Trinidad e Tobago

Trinidad e Tobago celebra o Carnaval no per√≠odo tradicional, como no Brasil. A festividade, que remonta ao s√©culo XVI, √© uma das mais importantes da cultura local e foi introduzida pelos franceses, que mantiveram o controle do pa√≠s at√© o s√©culo XVIII. Na √©poca, os bailes de m√°scaras eram frequentados apenas para propriet√°rios de grandes planta√ß√Ķes.

Impedidos de participar dos bailes, os escravos negros criaram, ent√£o, um Carnaval paralelo, que, al√©m de assimilar elementos da festa europeia, caracterizou-se pelo¬†colorido, s√°tiras e pelo dom√≠nio de ritmos afro-caribenhos nascidos no pa√≠s, como o calipso e, atualmente, a soca. Nas competi√ß√Ķes musicais, o t√≠tulo de Rei do Calipso (Calypso Monarch) √© bastante prestigiado.

 

Equador

No Equador, o Carnaval tem celebra√ß√Ķes diferentes. Na cidade de Guaranda, a 220 quil√īmetros de Quito, acontece uma festa de rua, com brincadeiras que lembram os antigos carnavais brasileiros e seus lan√ßa-perfumes. Bal√Ķes de √°gua, farinha e at√© mesmo ovos e lama s√£o lan√ßados contra amigos e familiares, mas tamb√©m em dire√ß√£o a desconhecidos. Uma espuma colorida muito parecida com creme de barbear, a carioca, √© bastante popular.

J√° em Ambato, localizada a cerca de 150 quil√īmetros da capital, a festividade recebe o nome de Festa das Flores e Frutas. Mais ‚Äúmoderado‚ÄĚ, esse Carnaval existe desde o in√≠cio dos anos 1950 como uma celebra√ß√£o pelo renascimento da cidade, que sofreu um grave terremoto em 1949, causando a morte de mais de cinco mil pessoas. √Č caracterizado por festas de rua, concurso de rainha da cidade e carros aleg√≥ricos decorados com flores e frutas. Outras cidades equatorianas tamb√©m comemoram o Carnaval, com m√ļsica, dan√ßa, fantasias e roupas t√≠picas.

 

México

O Carnaval chegou ao M√©xico pelas m√£os dos colonizadores espanh√≥is. √Č celebrado em mais de 200 comunidades, mas a maior comemora√ß√£o acontece em Veracruz e chega a durar at√© nove dias. Os desfiles, concertos e eventos especiais s√£o realizados nos espa√ßos p√ļblicos, restaurantes, bares e casas noturnas.

O destaque vai para a Queima do Mau Humor, quando os mexicanos de Veracruz literalmente queimam, na principal pra√ßa da cidade, personagens, pol√≠ticos, ideias, acontecimentos e quaisquer coisas indesej√°veis ‚Äď at√© v√≠rus e doen√ßas. Durante o ritual √© feita a leitura de um texto sobre quem est√° sendo ‚Äúqueimado‚ÄĚ.

H√°, ent√£o, a escolha da rainha e do rei do Carnaval, as festas e, no final do per√≠odo, o enterro de Juan Carnaval. Os foli√Ķes se vestem de preto como luto pelo fim dos folguedos e realizam a leitura do testamento.

Fotos: Reprodução