PUBLICIDADE

tecnologia

Bolsonaro avalia proibir Huawei na rede 5G do Brasil

O presidente Jair Bolsonaro está considerando proibir a Huawei de fornecer componentes para a futura rede 5G no Brasil porque vê a China como ameaça global à privacidade dos dados e à soberania dos países, segundo um alto integrante do governo. O presidente tem pé atrás com o gigante asiático, disse a fonte, que não está autorizada a falar no assunto publicamente.

O martelo n√£o foi batido e qualquer decis√£o sobre o tema levar√° em conta pontos de vista de outras inst√Ęncias no governo. Mas o coment√°rio exp√Ķe a cont√≠nua desconfian√ßa de Bolsonaro em rela√ß√£o ao maior parceiro comercial do pa√≠s. At√© agora, as autoridades brasileiras t√™m evitado dizer se ir√£o ceder √† press√£o dos EUA para manter a Huawei fora da rede m√≥vel ultrarr√°pida a ser constru√≠da no Brasil.

O governo brasileiro minimiza chances de retalia√ß√£o chinesa, j√° que o pa√≠s asi√°tico depende das importa√ß√Ķes agr√≠colas brasileiras para alimentar sua popula√ß√£o, disse a pessoa. A percep√ß√£o no Brasil √© que outros pa√≠ses que vetaram a Huawei de suas respectivas redes de 5G n√£o sofreram grandes consequ√™ncias, disse a autoridade.

Em entrevista recente, o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, disse que a decis√£o brasileira sobre o bloqueio da Huawei definir√° todo o relacionamento mais amplo do pa√≠s com a China. ‚ÄúO que est√° em jogo √© se um pa√≠s consegue criar para todas as empresas regras de mercado e ambiente de neg√≥cios nos par√Ęmetros de abertura, imparcialidade e n√£o discrimina√ß√£o‚ÄĚ, disse ele.

Procurado, o Pal√°cio do Planalto encaminhou o pedido de coment√°rio ao Minist√©rio das Comunica√ß√Ķes. Em nota, o minist√©rio disse que o leil√£o 5G trata de quest√Ķes estrat√©gicas de seguran√ßa nacional e de dados e que a licita√ß√£o est√° em debate no governo e entre presidentes de pa√≠ses envolvidos.

‚ÄúEsse √© um tema de Estado, de seguran√ßa de dados. A decis√£o sobre os fornecedores de equipamentos de telecomunica√ß√Ķes perpassa diversos √≥rg√£os de governo para al√©m do Minist√©rio das Comunica√ß√Ķes, como o Gabinete de Seguran√ßa Institucional (GSI), o Minist√©rio da Defesa, o Minist√©rio da Economia e o Minist√©rio das Rela√ß√Ķes Exteriores. Por se tratar de seguran√ßa nacional, envolve tamb√©m todos os presidentes dos pa√≠ses envolvidos com esse tema‚ÄĚ, diz um trecho da nota.

O leil√£o 5G, programado para o pr√≥ximo ano, e a parceria com a China como um todo t√™m sido objeto de vis√Ķes conflitantes dentro do governo. Enquanto o vice-presidente Hamilton Mour√£o e o ministro da Ci√™ncia e Tecnologia, Marcos Pontes, defendem uma competi√ß√£o aberta e justa pela nova rede de celular, Bolsonaro tem demonstrado muito mais entusiasmo na rela√ß√£o com os EUA de Donald Trump do que com a China.

O ministro das Rela√ß√Ķes Exteriores, Ernesto Ara√ļjo, responsabilizou implicitamente o pa√≠s asi√°tico pela pandemia de Covid-19, ao sugerir em reuni√£o ministerial em abril e escrever em seu blog pessoal que o coronav√≠rus reviveu ‚Äúo pesadelo comunista‚ÄĚ. O deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, tamb√©m acusou a ‚Äúditadura chinesa‚ÄĚ de ser respons√°vel pela pandemia, dizendo que ‚Äúa culpa √© da China‚ÄĚ.

O Brasil planeja escolher uma empresa de telefonia ‚Äď que, por sua vez, poder√° usar tecnologia chinesa ou europeia ‚Äď para construir sua rede 5G por volta de maio de 2021, disse o ministro das Comunica√ß√Ķes, F√°bio Faria, em entrevista recente, depois que a pandemia atrasou o processo de licita√ß√£o inicialmente programado para este ano. Faria disse que o atraso acabou sendo positivo, pois est√° permitindo ao governo observar as negocia√ß√Ķes e vetos em outros pa√≠ses antes de tomar uma decis√£o.

A China foi destino de 40% das exporta√ß√Ķes brasileiras no primeiro semestre, segundo dados do Minist√©rio da Agricultura. As vendas para o pa√≠s asi√°tico, principalmente de soja, geraram mais receita do que para os EUA, Am√©rica Latina, Europa, √Āfrica e Oriente M√©dio juntos.

*Por Bloomberg 

PUBLICIDADE