PUBLICIDADE

brasil

Animais também estão sujeitos a estresse devido às altas temperaturas

As temperaturas elevadas n√£o provocam efeitos negativos somente no ser humano. Tamb√©m os animais, sejam dom√©sticos ou de produ√ß√£o, est√£o sujeitos a perigos provocados pelo calor extremo, alertou a professora do Instituto de Zootecnia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) Ana L√ļcia Puerro de Melo. ‚ÄúTodos eles est√£o sujeitos a estresse pelo calor com essas ondas de calor t√£o extremas‚ÄĚ.

Quando se pensa em animais domésticos, que vivem dentro das casas, os principais cuidados que devem ser tomados incluem propiciar um ambiente com conforto térmico, isto é, com sombra, água fresca, verificar se a vasilha está limpa e com água fresca, trocar a água com frequência, verificar o comportamento do animal, se está se alimentando, defecando e urinando normalmente, recomenda a professora.

Diante de qualquer comportamento ou indício de desconforto ou de que ele não está bem, a recomendação é procurar um veterinário.

‚ÄúNo caso de animais de produ√ß√£o, o n√≠vel de estresse de calor √© bastante grave. Dependendo da esp√©cie e da ra√ßa, pode aumentar a taxa de mortalidade‚ÄĚ, esclareceu a professora da UFRRJ.

Mesmo animais que s√£o alojados em galp√Ķes que, em tese, s√£o ambientes sombreados, o calor muito excessivo pode ampliar o √≠ndice de mortalidade. As aves s√£o um exemplo.

Instala√ß√Ķes

Quando s√£o animais de produ√ß√£o, h√° cuidados que podem ser tomados antes da instala√ß√£o da atividade, que seria pela escolha das ra√ßas que s√£o mais adaptadas, e tamb√©m pela instru√ß√£o da constru√ß√£o das instala√ß√Ķes, que devem garantir sombreamento, com fornecimento de √°gua limpa. No manejo, podem ser feitas tamb√©m altera√ß√Ķes, como evitar estressar os animais com manejos em momentos de maior pico de temperatura, mas deix√°-los em repouso, tentar fazer compensa√ß√Ķes. ‚ÄúSe voc√™ notar que o animal diminuiu a ingest√£o de comida, deve-se tentar compensar isso no momento em que a temperatura diminui, com coloca√ß√£o de novo alimento fresco para incentivar a compensa√ß√£o dos per√≠odos de calor‚ÄĚ.

Ana Lucia disse que a c√£es e gatos podem ser oferecidos alimentos diferentes, palat√°veis, que j√° v√™m com um n√≠vel de umidade maior, porque isso tamb√©m estimula a ingest√£o de l√≠quidos, que √© essencial. ‚ÄúApesar de ser muito similar ao que se recomenda para os seres humanos, como diminuir a atividade, a movimenta√ß√£o, isso serve tamb√©m em rela√ß√£o ao manejo dos animais, que √© deix√°-los em repouso em momentos de maior calor, evitar exposi√ß√£o ao sol desnecess√°ria, manter o fluxo de √°gua limpa e fresca, para que isso estimule o consumo. Serve para eles e para n√≥s tamb√©m‚ÄĚ.

Segundo Ana L√ļcia, o estresse pelo calor √© negligenciado at√© para os seres humanos. ‚ÄúA gente v√™ muitas campanhas do agasalho, no frio, mas nesses dias quentes, inclusive para os seres humanos que est√£o em situa√ß√£o de vulnerabilidade, muitas vezes n√£o disp√Ķem de um local decente para tomar um banho ou beber uma √°gua pot√°vel em temperatura adequada, √© essencial que haja conscientiza√ß√£o sobre isso tamb√©m‚ÄĚ.

Oceanos

O professor Francisco Gerson de Ara√ļjo, coordenador do Laborat√≥rio de Ecologia de Peixes da UFRRJ, explicou que esse calor excessivo √©, primariamente, efeito de um forte El Ni√Īo, que √© aumento da temperatura no Oceano Pac√≠fico central, que gera um calor muito grande, muda a dire√ß√£o das correntes e faz com que o ar suba e des√ßa sob a forma de barreira no Sul, mais ou menos a 5¬ļ de latitude. ‚Äú√Č por isso que no Sul continua chovendo e, aqui, est√° seco e quente. Essa √© a consequ√™ncia do El Ni√Īo, que faz com que aumente a temperatura global‚ÄĚ.

Gerson de Ara√ļjo disse que todos os peixes, como os demais organismos que vivem na √°gua, t√™m uma temperatura interna vinculada √† temperatura do ambiente. Quando a temperatura do ambiente aumenta de forma excessiva, eles tendem a se deslocar para √°reas de temperatura mais amena, como est√£o acostumados.

Em n√≠vel global, os peixes v√£o se deslocando para latitudes mais altas, ou seja, da costa do Rio de Janeiro para a costa de S√£o Paulo e de Santa Catarina. ‚ÄúQuer dizer, para lugares em que a temperatura n√£o esteja t√£o diferente da temperatura onde est√£o acostumados a viver. H√° um deslocamento de massa geral, mas isso n√£o acontece t√£o rapidamente. √Č aos poucos‚ÄĚ, explicou.

O efeito desse deslocamento em fun√ß√£o do calor excessivo √© muito negativo, porque causa preju√≠zo a toda a cadeia tr√≥fica, ou cadeia alimentar. Algumas esp√©cies come√ßam a migrar para outras regi√Ķes e quebram a cadeia tr√≥fica onde vivem. As consequ√™ncias s√£o muito ruins. Algumas esp√©cies podem, inclusive, desaparecer. ‚ÄúEssa temperatura alta n√£o √© boa. √Č muito ruim‚ÄĚ. Esse √© um efeito global, em termos de oceano.

Já o efeito local também é negativo porque, toda vez que a temperatura aumenta, a quantidade de oxigênio diminui e pode haver mortandade de peixes, disse o professor da UFRRJ.

Edição: Fernando Fraga