6.3 // henrique narita

Sr. Mauro, muito obrigado por tudo!

Olá amigos! Antes de tudo, estou muito feliz por ter tido a honra de disputar por mais um ano os Jogos Regionais do Estado de São Paulo, modalidade tênis de mesa, esse ano em sua 61ª edição. Nossa equipe se sagrou campeã por antecedência e fomos muito bem nos jogos. Quero aqui fazer um agradecimento a cidade de São Jose dos Campos que me acolheu ainda “moleque” no tênis de mesa me convidando a fazer parte da equipe e cá estou eu, 9 anos depois, ainda tendo a honra de representar a cidade. Essa longevidade na parceria só acontece por haver um respeito e agradecimento mutuo entre as partes.

Mas, entrando no assunto que quero abordar essa semana, no decorrer dos Jogos Regionais, especificamente último sábado pela manhã, fui surpreendido com uma notícia que muito me entristeceu. Atendo o telefone e fico alguns segundos sem entender o que acontecia… recebia a notícia do falecimento de meu amigo Sr. Mauro Uwagoya, carinhosamente chamado de “Mauro Pai” pelos atletas do grupo Kenzen de Tênis de Mesa.

Hoje quero dedicar minha coluna em sua homenagem.

Era chamado de Mauro Pai, não só devido ao filho ter o mesmo nome dele, o técnico Mauro Uwagoya, mas também por ser um verdadeiro “paizão” dos atletas, aliás atletas de todas as idades.

Sr. Mauro Uwagoya era um benemérito do tênis de mesa de São Paulo. Sem querer holofotes, sem querer nada em troca, ajudava e contribuía com clubes, kaikans e equipes de tênis de mesa. E claro, fazia muito, mas muito mesmo pelo grupo Kenzen.

Quantos não foram os intercoloniais (maior torneio de tênis de mesa da América Latina, que acontece anualmente) em que o Sr. Mauro liderou a equipe do Dutra Norte, tomando a frente ações como inscrições, seletivas, reservas de hotéis, organização de almoços e jantares, fretes, ônibus, voos… quem já fez uma vez sabe o trabalhão que isso tudo dá… Quem já não disputou algum torneio, ranking, rachão promovido pelo grupo Kenzen ou por algum de seus atletas… tudo isso tinha o dedo dele.

Estava, inclusive até seus últimos momentos entre nós, organizando o tradicional torneio de equipes do Kenzen… o mundo precisa de muitos Senhores Mauros… quanto mais o tivéssemos melhor seria o mundo.

São pessoas como ele que fazem o tênis de mesa funcionar e existir no Brasil e por isso merecem todo nosso respeito.

Aproveito essa singela coluna dedicada ao Sr. Mauro para lançar um pensamento… aqueles que fazem pelo esporte sem querer nada em troca, sequer aparecer, fazendo apenas e simplesmente pelo amor à modalidade e amor as pessoas, fazem sim a diferença e fazem por merecer respeito e admiração. E convido a todos a exigir posturas semelhantes daqueles que recebem e muito para fazer… estou me referindo aos dirigentes esportivos…

Sr. Mauro, descanse em paz. À família, meus sinceros sentimentos…

saiba antes via instagram @maisinfluenterevista