mundo

Indústria náutica quebra mito e aposta no comando feminino de embarcação

 - REVISTA MAISJR

(Crédito: Reprodução) 

A empresa de rebocadores Svitzer, na República Dominicana, que opera o navio Suitzer Monte Cristi pelas águas dos portos do Rio Haina e Caucedo, está mudando uma tendência histórica da indústria de navegação.

Por meio de uma iniciativa inclusiva de gênero, a empresa contratou uma equipe composta inteiramente de mulheres para dirigir um rebocador de 70 toneladas que ajuda a manobrar embarcações maiores para que possam atracar ou serem conduzidas.

Segundo a Federação Internacional dos Trabalhadores em Transportes, estima-se que apenas 2% da força de trabalho marítima é composta de mulheres, a maioria empregada em cruzeiros e balsas, de modo que encontrar mulheres nas fileiras de oficiais ou capitães que dirigem embarcações comerciais, é algo raro, muito inferior aos 2% mencionados.

Em uma indústria tipicamente dominada por homens, o navio Svitzer Monte Cristi é liderado pela capitã Maria de los Santos, acompanhada pela engenheira-chefe Marysabel Moreno e apoiada pelas velejadoras Paloma Montero, Loreanni Torres e Juana Custodio. Elas tornaram-se ícones locais para meninas e jovens mulheres, que viram ruir o mito de que o trabalho no mar não é adequado para mulheres.

“Muitas coisas que presumimos serem feitas através da força física, na realidade, só exigem inteligência técnica e as ferramentas certas. Nossa equipe mostrou que o trabalho não é exclusivo de um gênero específico”, afirmou a engenheira chefe da Svitzer Monte Cristi, Marysabel Moreno.

Isso ficou evidente tanto para o gerente geral da Svitzer Caribbean, Cap. Dickson Rivas e membros do conselho executivo da empresa, que, com o apoio do capitão Eduard Medina, apostaram no projeto. “Na Svitzer, vamos trabalhar ativamente para melhorar as oportunidades e as carreiras de nossas colegas e também das mulheres que trabalham na indústria. Hoje, globalmente, a organização emprega um total de 21 mulheres que ocupam postos de comando em tarefas operacionais”, disse Marc Niederer, diretor geral da Svitzer Americas.

saiba antes via instagram @maisinfluenterevista