6.1 // denise prado

Drink levado a sério

A noite é um verdadeiro confessionário.  Como nos filmes, muitas vezes sentamos nos balcões das baladas pedimos um drink e ali com o Bartender desfilamos nossos desejos, amarguras, alegrias, tristezas e até mesmo o fazemos de cupido.  Na noite entre um drink e outro as historias revelam que a vida imita a arte e vice e versa.

Chamei para um bate papo o Bartender Márcio Silva, que atua no mercado desde 1994. Começou sua carreira como ajudante de bar, e teve o privilégio de trabalhar ao lado de Bartenders em Londres e que hoje são grandes nomes, considerados gurus da coquetelaria mundial.  “A minha sorte em relação a essas pessoas de cunho internacional, foi que comecei lavando copos prá eles e enquanto as pessoas que faziam a mesma coisa que eu fiz reclamavam, eu fazia sorrindo porque estava ganhando dinheiro na época em Londres e essas pessoas acabaram me apadrinhando e hoje tenho contato direto com eles e são as pessoas Mais Influentes no mercado de bares no mundo dos anos 80, 90 e começo de 2000.”Sempre me pergunto como se dá a escolha de uma profissão, pois ao longo da estrada da vida, os talentos acabam despontando e o maior desafio é mesmo o início de tudo, a descoberta dessa ou daquela carreira. “O início da profissão foi totalmente por acaso, eu tinha que ganhar dinheiro e simplesmente entrei na profissão para ganhar dinheiro sem querer e comecei a trabalhar com essas pessoas. Trabalhando com eles eu pude entender que a profissão de Bartender é muito séria, eu pude aprender a amar a profissão e ver que se eu estudasse e me empenhasse poderia fazer a diferença no mercado.”

A história de Marcio é curiosa, ele não se acomodou, Londres ficou pequena para suas aspirações.  Passou um ano na Escócia saciando sua vontade de aprender cada vez mais, foi buscar entender sobre Whisky Escocês, dali voou para Portugal ficando por oito meses, e depois foi para a Espanha onde morou na província de Málaga e na cidade de Marbeia e nessa época ele já era treinador internacional de uma empresa de Londres que abria bares para investidores ao redor do mundo. Até final de 2009, Márcio viajou por mais de 30 países através do seu trabalho treinando  Bartenders, abrindo bares, vendo projetos. “E isso foi praticamente uma das maiores inspirações, foi conhecer as diversas culturas dos diversos países por onde passei e até hoje eu utilizo muito daquilo que eu já vi naquela época.”Depois de sua temporada andarilha internacional, ele chega ao Brasil como treinador internacional em 2004 para dar treinamento para a Diageo no Fasano, foi sua primeira experiência por aqui e acabou ficando por um tempinho. Mas sua alma andarilha gritava e ele partiu novamente implementando bares em Cruzeiros pelos sete mares. Voltou para a Espanha ficando por lá até 2009, quando voltou para São Paulo para abrir o Subastor, a convite dos investidores, a Companhia Tradicional de Comércio, para analisar o projeto, fazer toda a implementação do bar e de um cardápio novo.

Não imaginamos o quanto estar ligado a uma profissão que aos olhos de quem vai ali só para beber e se divertir existe tanta dedicação, conflitos internos, estudos e muita determinação. “Através do Subastor ganhei notoriedade no mercado brasileiro como Bartender, mas meu nome não era tão divulgado, meu nome ficava por trás do nome da época, porque tinha que dar referencia ao Pereira que era o Chefe de Bar, que é super querido e que até hoje chamo de Pai da Profissão. Eu tinha a sensação que não pertencia ao Brasil, que não me encaixava na cultura Brasileira e fiquei com esse sentimento preso durante muito tempo, eu não me sentia brasileiro, um profissional de bar que não se encaixava no mercado do Brasil. Até que em 2012, resolvi voltar para a Europa e fiquei pulando da Europa para o Brasil, sendo embaixador mundial da marca Yaguara, e ai tive a oportunidade de fazer o lançamento nos EUA.”Depois de todas essas idas e vindas, hoje, Márcio, se posicionou no mercado como um Bartender gringo. Abrindo seu próprio bar. “O Guilhotina, que tem em seu nome a ruptura de barreiras, cortar o passado, as frescuras das pessoas. A ideia é que as pessoas tenham uma experiência desconectada com o dia a dia da loucura de São Paulo.”

Márcio é Ariano, tem 40 anos, suas cores prediletas são azul escuro e vermelho sangue, dos países por onde passou Marrocos , provocou nele mudanças de energia, mental e social, Granada no Caribe, fez com que se sentisse em casa mas a cidade que mais o encantou em todo o mundo foi Cartagena na Colômbia.

São diversas as profissões que nos levam a viver experiências diferentes e gratificantes, que nos colocam como inspiração para a vida de outras pessoas. Ser Bartender, trabalhar na noite, conciliar a vida pessoal com horários que não são considerados  “normais”, saber ouvir sem opinar, simplesmente ouvir, muitas vezes até historias que refletem momentos que esses profissionais estão vivendo em suas vidas, com certeza os tornam os Mais Influentes amigos da noite.

 

saiba antes via instagram @maisinfluenterevista