4.0 // manual4.1 // sexo

As inseguranças na cama

Tanto para elas como para eles a hora de ir para a cama com alguém, especialmente num encontro causal, pode ser um momento difícil e cheio de inseguranças. De acordo com Carla Cecarello, sexóloga do site de encontros casuais C-date, a insegurança feminina é em relação ao corpo é algo quase que unanime. Apesar de elas serem mais preocupadas que eles, os homens também se mostram um pouco temerosos quando vão para o sexo. Segundo a sexóloga, no caso deles, a maior insegurança é falhar na hora H.

A especialista afirma que as mulheres ficam preocupadas se o seio está caído, se têm celulite, se têm barriga ou aquela marca da cicatriz. Carla Cecarello conta que é comum ouvir mulheres que se separam e estão saindo com outra pessoa, mas estão preocupadas com detalhes como a cicatriz da cesárea ou com a barriguinha. “Será que na hora ele não vai perceber ou vai ficar chato para mim?, questiona a mulher durante consulta com a sexóloga do C-date, mostrando insegurança em relação ao próprio corpo.

Por outro lado, as conversas com os homens seguem por outro caminho. “O que eu observo, diante do que os homens comentam, é de que na hora ‘h’ eles não estão preocupados com isso, afirma a sexóloga. A maioria dos homens está preocupada em saber se a mulher é divertida, participativa e se não é chata quando vai para a transa. Então, para poder driblar essa insegurança com o corpo, a mulher precisa aprender a ser uma mulher que participa, é divertida, alegre, bom astral, recomenda Carla.

Uma outra insegurança feminina é se ela deve transar com o cara no primeiro encontro. As dúvidas pairam sobre o fato de ter acabado de conhecer um cara superlegal e não saber se deve sair e transar logo de cara ou deixar para outro dia. A mulher pensa que o homem pode desistir e dar um jeito de sair fora porque acha que a mulher está fazendo graça, se ficar no vai ou não vai. Elas, muitas vezes, não querem correr esse risco. Neste caso, a orientação da sexóloga do C-date é, de fato, transar com um cara num primeiro encontro, mas “só se ela se sentir muito segura para issoCarla explica ainda que, independentemente da decisão da mulher  ter o mínimo de encantamento e prazer no sexo é importante, conhecer um mínimo possível da pessoa, mesmo que seja num relacionamento casual é importante“.

Sites de relacionamento, como o C-date que é especializado em encontros e sexo casual, ajudam as pessoas a terem esse contato anterior, pois o ato sexual não ocorre por acaso. A plataforma auxilia as pessoas a se conhecerem de forma virtual, porém, sem compromisso. Elas utilizam os recursos disponíveis no site para obter informações do possível parceiro casual e podem marcar o encontro com alguém que tem algum atrativo. E vão agendar o encontro, mesmo que seja um encontro sem compromisso, com uma pessoa que tenha mais ou menos o perfil que esperam. Aí, sim, se sentindo segura o suficiente para transar na primeira noite, ela decide se vale ou não. Ela precisa escolher o que é melhor para ela naquele momento. Sem receios de dizer sim ou não, complementa Carla.

Outra insegurança feminina é se a mulher deve, logo que ela começa a sair com uma pessoa e chega a transar, partir para práticas como sexo oral e anal. Para a sexóloga do C-date é importante lembrar que vivemos em uma sociedade que, apesar de ser tudo muito livre, das pessoas demonstrarem que estão mais abertas a essas questões do sexo, ainda tem preconceito com mulheres que – nos primeiros encontros sexuais – partem para essa prática. Os homens consideram que são mulheres, assim, muito libertas, muito fogosas sexualmente, e que esse perfil de mulher não merece valor. Então, dependendo do tipo de objetivo que ela tem nesse encontro, ou seja, se ela pensa em algo mais sério para o futuro, aí não cabe essa prática, observa Carla.

Por outro lado, se a mulher é independente e já tem uma ideia de quer algo sem compromisso e está segura para esse tipo de relação, não há o que temer. Sexo é bom quando se sabe o que quer e como quer, sempre tomando as devidas precauções”, diz a especialista. Para driblar o homem que quer apenas fazer um teste ao propor sexo oral ou anal em encontros recentes, e a mulher pensa em investir nessa relação para o futuro, a sexóloga orienta:  um jeitinho, usando da sedução e criatividade para não cair nesse teste, porque o homem pode pensar coisas erradas, especialmente por termos uma sociedade que ainda têm preconceitos em relação a isso.”

Se as mulheres têm um leque de inseguranças, os homens também possuem as suas. Uma delas é a de falhar na hora H, principalmente se é um relacionamento novo, se a mulher é muito bonita no conceito dele, ou se ele tem em mente que ela é muito ‘gostosona’. “É nessas horas e com esses pensamentos que eles, muitas vezes, têm o receio de falhar, destaca Carla Cecarello. Para ela, o homem tem medo de falhar por causa da imagem que ele tem da mulher e precisa se sentir mais confiante quando vai para a cama com a ideia que traz conceitualmente da parceira. Ele cria isso na cabeça dele, de achar que a mulher é tão poderosa que acaba falhando. O ideal é que esse homem nem parta para transa com mulheres que ele ache tão poderosas ou tão gostosas para ele, porque o risco de falhar pode ser real”, pondera a sexóloga do C-date.

Uma outra insegurança masculina é na hora de colocar os preservativos. Muitos homens brocham nesse momento. Uma das formas de driblar essa situação é, por exemplo, pedir que a parceira coloque o preservativo com a boca, porque, ao mesmo tempo que desenrola o preservativo, oferece um estímulo no pênis. Isso contribui para que a ereção não acabe. Essa é uma ótima maneira de driblar essa insegurança masculina e fazer um sexo seguro.

Da mesma forma, a ejaculação precoce é outra insegurança masculina. Ejacular muito rápido na hora do sexo pode ser frustrante para ele e para ela também. E ocorre quando o homem está muito tempo sem sexo ou muito ansioso, o que o deixa com certa insegurança. A sugestão é que ele se masturbe antes de partir para esse encontro, porque baixa um pouco a ansiedade e terá mais sucesso na hora do sexo não ejaculando rapidamente, completa Carla Cecarello.

 

Foto: Release

saiba antes via instagram @maisinfluenterevista